sábado, 18 de novembro de 2017

Primeira Eucaristia no EJM

Momento ímpar na vida dessas queridas crianças. O Sacramento da Eucaristia, é muito esperado por eles pois, os mesmos almejam o desejo de receber a Eucaristia de fato, momento de Fé!








sexta-feira, 17 de novembro de 2017

III ELO CULTURAL Educandário Jesus Menino/ 2017, e mais um sucesso na prova: Meu Professor é um Show.

Currais Novos/RN, neste dia 13 de novembro







NEVES: ALUNOS RECEBEM SACRAMENTO DA CRISMA E EUCARISTIA

Depois de quase um ano de preparação, alunos da Catequese do Neves receberam a Crisma e a Eucaristia, sacramentos que traduzem a confirmação do batismo e a iniciação da vida cristão, por meio da crucificação e ressurreição de Jesus, oferecido em pão e vinho no altar, respectivamente. As celebrações reuniram familiares e amigos dos catequizados, que os emocionaram pela demonstração de fé profunda.

A unção crismal envolveu 61 estudantes e foi ministrada pelo arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, no auditório Madre Francisca Lechner. Já a Primeira comunhão foi celebrada pelo capelão do Colégio, Padre Francisco Motta, no ginásio Madre Fidelis, e contou com a participação de 78 crianças.

“Momentos como esses são muito importantes, pois fortalecem a fé em Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo”, disse a coordenadora do Serviço de Educação Religiosa, Jodalva Oliveira.

Papa: “pensar na morte faz bem, será o encontro com o Senhor”

Refletir sobre o fim do mundo e também sobre o fim de cada um de nós: é o convite que a Igreja nos faz através do trecho evangélico de Lucas, comentado pelo Papa na homilia da missa matutina, na Casa Santa Marta.
O trecho narra a vida normal dos homens e mulheres antes do dilúvio universal e nos dias de Lot: comiam, bebiam, compravam, vendiam, se casavam… mas depois, como um trovão, chega o dia da manifestação do Filho do homem… e as coisas mudam.
A Igreja, que é mãe – diz o Papa na homilia – quer que cada um de nós pense em sua própria morte. Todos nós estamos acostumados à normalidade da vida: horários, compromissos, trabalho, momentos de descanso… e pensamos que será sempre assim. Mas um dia, prossegue Francisco, Jesus chamará e nos dirá: ‘Vem!’ Para alguns, este chamado será repentino, para outros, virá depois de uma longa doença; não sabemos.
No entanto, repete o Papa, “O chamado virá!”. E será uma surpresa, mas depois, virá ainda outra surpresa do Senhor: a vida eterna. Por isso, “a Igreja nestes dias nos diz: pare um pouco, pare e pense na morte”. O Papa Francisco descreve o que acontece normalmente: até participar do velório ou ir ao cemitério se torna um evento social. Vai-se, fala-se com os outros e em alguns casos, até se come e se bebe: “É uma reunião a mais, para não pensar”.
“E hoje a Igreja, hoje o Senhor, com aquela bondade que é sua, diz a cada um de nós: ‘Pare, pare, nem todos os dias serão assim. Não se acostume como se esta fosse a eternidade. Haverá um dia em que você será levado e o outro ficará, você será levado’. É ir com o Senhor, pensar que a nossa vida terá fim. Isto faz bem”.
Isto faz bem – explica o Papa – diante do início de um novo dia de trabalho, por exemplo, podemos pensar: ‘Hoje talvez será o último dia, não sei, mas farei bem meu trabalho’. E o mesmo nas relações de família ou quando vamos ao médico.
“Pensar na morte não é uma fantasia ruim, é uma realidade. Se é feia ou não feia, depende de mim, como eu a penso, mas que ela chegará, chegará. E ali será o encontro com o Senhor, esta será a beleza da morte, será o encontro com o Senhor, será Ele a vir ao seu encontro, será Ele a dizer: “Vem, vem, abençoado do meu Pai, vem comigo”.
E ao chamado do Senhor não haverá mais tempo para resolver nossas coisas. Francisco relata o que um sacerdote lhe disse recentemente:
“Dias atrás encontrei um sacerdote, 65 anos mais ou menos, e ele tinha algo que não estava bem, ele não se sentia bem … Ele foi ao médico que lhe disse: “Mas olhe – isso depois da visita – o senhor tem isso, e isso é algo ruim, mas talvez tenhamos tempo para detê-lo, nós faremos isso, se não parar, faremos isso e, se não parar, começaremos a caminhar e eu vou acompanhá-lo até o fim”. “Muito bom aquele médico”.
Assim também nós, exorta o Papa, vamos nos fazer acompanhar nesta estrada, façamos de tudo, mas sempre olhando para lá, para o dia em que “o Senhor virá me buscar para ir com Ele”.
Por Rádio Vaticano

Solidariedade: veja exemplos de ação da Igreja no Brasil em favor dos pobres

Neste domingo, 19, a Igreja celebra o Dia Mundial dos Pobres. A data é vivida pela primeira vez e foi instituída pelo Papa Francisco ao final do Jubileu da Misericórdia. Neste dia em especial, os católicos são convidados a dar passos mais concretos de caridade e solidariedade, partilhando com os mais pobres. O tema da data deste ano é “Não amemos com palavras, mas com obras”.
Em mensagem por ocasião do Dia Mundial dos Pobres, o Papa Francisco destacou que a Igreja compreendeu, desde sempre, a predileção de Deus pelos mais necessitados: “Este é, sem dúvida, um dos primeiros sinais com que a comunidade cristã se apresentou no palco do mundo: o serviço aos mais pobres.” E lembrou que já no livro dos Atos dos Apóstolos, Pedro pediu que fossem escolhidos sete homens “cheios do Espírito e de sabedoria” que assumissem o serviço de assistência aos mais carentes.(At 6,3)
Ao longo de todo o ano, inúmeras são as ações feitas pela Igreja em favor dos pobres. Em cada diocese, em cada paróquia, movimentos e pastorais se dedicam à promoção humana.
Raphael Costa é coordenador de Pastoral da Juventude e membro da Pastoral Social da Arquidiocese de Niterói. Foi missionário em Moçambique, na África, e representou o Brasil na Assembleia da Juventude da ONU, em Nova York.
O jovem ressalta que há no Brasil várias missões de promoção da dignidade dos pobres. Somente em sua Arquidiocese, milhares de famílias são atendidas através de programas de segurança alimentar, que não apenas recebem cesta básica mas são acompanhadas como sujeitos de direitos.
Pastoral de rua, vicentinos, pastoral do berço, promoção humana, creches, dispensário de remédios, albergues da misericórdia, pastoral da saúde, servos da alegria e casas de recuperação fazem parte das ações, todas voltadas à população mais pobre. Há até um pré-vestibular social para jovens de periferias.
“O objetivo central é promover a dignidade dessas pessoas. Não são ações assistencialistas, e também não podem ter o intuito de aliviar a nossa consciência. A missão social deve partir de uma séria convicção de que toda pessoa é filha de Deus, criada a sua imagem e semelhança. Portanto, nossa finalidade é dar o testemunho concreto e vivo do amor do Pai, pois uma fé sem obras é uma fé morta, como diz São Tiago. Não basta a ação caritativa em si, mas é necessário lutar pela cidadania e inclusão social das pessoas, vendo os pobres não como mero destinatário ou objeto do trabalho, mas como protagonista social.”, recorda Raphael.
Canção Nova

quinta-feira, 16 de novembro de 2017




SERIADO INGLÊS RETRATA A VIDA EM UM CONVENTO 

"Maus Hábitos - Ordens Sagradas."  É este o título de um seriado que está fazendo um grande sucesso na Grã-Bretanha. A história apresentada pelo British Channel Five, retrata a vida de cinco jovens, que decidem abandonar sua vida social para se tornarem freiras no Convento das Filhas do Amor Divino. A Madre Superiora fica transtornada ao ver a bagagem de uma das candidatas à vida religiosa, porque ela leva nada menos do que 15 pares de sapatos.
Assim, Paige, Gabbi, Tyla, Sarah e Rebecca são submetidas a um “curso de reabilitação” de um mês. O começo é um pouco traumático porque elas têm que vestir roupas diferentes das que estão habituadas, ficar sem os telefones e ir para a cama às 22h, horário em que estavam habituadas a sair para curtir as noitadas. Elas ainda têm que levantar às 07:15h para assistir a missa e precisam renunciar à televisão e aos espelhos. Agora, tudo o que dispõem é uma câmera para gravar suas impressões e o carinho das irmãs que as ajudam a se vestir.

Rebecca fica bêbada seis dias por semana e pouco consegue lembrar o que fez enquanto estava embriagada. Gabi é dependente de redes sociais e tem uma grande preocupação com seus pais. Entre as discotecas e as orações, o caminho é longo. No entanto, as jovens estão realmente procurando uma maneira diferente de viver suas vidas e as Irmãs sabem exatamente o que fazer, oferecendo-lhes o prazer de trabalhar em uma comunidade que inclui jogos de tênis ou basquete, músicas, som de guitarras e uma boa quantidade de comércio justo.
O mundo de Rebecca parece desmoronar quando uma garrafa de vodka é descoberta no convento e o irmão Francis explica que o problema não é a violação da regra, mas a ruptura de um relacionamento de confiança. O pai de Rebecca também conta como ele não reconhece mais a sua filha: de uma menina apaixonada, a jovem transformou-se em um verdadeiro pesadelo. E ela chora porque pensa que perdeu sua vida. Ama seus pais, mas traiu sua confiança.
O silêncio, as oraçóes do convento e o amor das freiras operam um milagre. As ordens sagradas e o Evangelho com sua mensagem de verdade as transforma e as leva a se converter. "De repente eu senti esse sentimento de felicidade” - Sarah nos diz durante a série. Percebi o quanto eu era infeliz. Como a minha geração perde tempo envolvida com as mídias sociais como meio de elevar o ego sem chegar a lugar algum". "Fiquei deprimida antes de entrar no convento", acrescenta Gabbi. Parecia ter perdido o controle da minha vida. Mas as freiras são incríveis. Eles não nos julgaram. Apenas nos conduziram, ajudando-nos a encontrar as respostas que precisávamos. Agora estamos constantemente dizendo a elas como nos tornamos amigos”.

Então a vida das meninas muda: Rebecca se inscreve em um curso de enfermagem. Paige abandona as casas noturnas. Tyla se torna voluntária em um abrigo para sem-teto. Gabbi posta nas redes sociais sua primeira foto sem truque. A partir desse convento a vida de todas passa por profundas transformações. É uma pena que o seriado não pode ser visto no Brasil.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017


Papa convida a rezar pela conversão dos corruptos



 O Papa Francisco alertou no Vaticano, para a “corrupção quotidiana” que vai criando uma “rede” da qual é difícil sair, pedindo a oração pela conversão dos corruptos.

"São poderosos eles, não é? Quando fazem ‘redes de corrupção’ são poderosos, chegam a cometer atitudes mafiosas”, advertiu,  durante a homilia da Missa a que presidiu na Capela da Casa de Santa Marta.

Francisco sublinhou que a corrupção surge “todos os dias nos jornais”, sobretudo com aqueles que têm a responsabilidade de “administrar os bens do povo”.

"É também uma boa oportunidade para rezar pelos corruptos. Fala-se de poluição atmosférica, mas também há uma poluição da corrupção na sociedade. Rezemos pelos corruptos: pobrezinhos, que encontrem o caminho para sair daquela prisão na qual eles quiseram entrar”, concluiu.



Papa ganha Lamborghini e decide leiloá-lo

 Todo o dinheiro arrecadado com o leilão, será revertido para o financiamento de projetos humanitários.

 O Papa Francisco foi presenteado nesta quarta-feira (15/11/2017), com um modelo especial da marca de automóveis de luxo Lamborghini, de cor branca, que será leiloado para financiar quatro projetos humanitários, conforme informou o Vaticano.

O pontífice benzeu o carro e assinou o capô, diante de diretores da marca presentes no Vaticano. O automóvel será vendido pela casa Sotheby's. O preço do modelo gira em torno de 200 mil euros, mas se espera que o carro do Papa seja arrematado por um valor mais alto.

O Papa determinou que o dinheiro arrecadado seja usado para financiar um projeto de reconstrução de residências, locais de culto e infraestrutura pública na planície de Nínive, Iraque, a fim de ajudar os cristãos que fugiram da guerra a recuperar "suas raízes e sua dignidade", indicou a Santa Sé.

O Lamborghini do Papa também irá financiar uma associação italiana que ajuda vítimas de redes de prostituição, bem como duas associações italianas atuantes na África, entre elas um grupo internacional de cirurgiões.

O Papa, que costuma receber presentes curiosos, já havia leiloado, com fins de caridade, uma motocicleta Harley Davidson.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

A consagração e o desapego do mundo

Saiba por que o desapego do espírito do mundo é uma das exigências da consagração total a Virgem Maria.

Nos doze primeiros dias de preparação para a consagração total, ou escravidão de amor, a Jesus Cristo pelas mãos da Virgem Maria, somos chamados a desapegar-nos do espírito do mundo, que é contrário ao Espírito de Deus1. A escravidão de amor, à qual somos chamados, nos torna livres das cadeias do pecado, mas para isso é necessário romper com o espírito mundano, de tudo aquilo que nos aprisiona e nos afasta de Deus. Este desapego é necessário a todo verdadeiro cristão, especialmente se queremos nos consagrar a Nossa Senhora ou já somos consagrados a ela.

A respeito do espírito do mundo, Papa Francisco diz: “É realmente ridículo que um cristão verdadeiro, que um padre, um freira, um bispo, um cardeal, um papa, queiram percorrer esta estrada do mundo, é uma atitude homicida. O mundano mata, mata a alma, as pessoas, mata a Igreja”2. Por isso, peçamos ao Senhor, pela intercessão de Maria, a coragem de nos despojar do espírito do mundo, “que é a lepra e o câncer da sociedade, é o câncer da revelação de Deus. O espírito do mundo é o inimigo de Jesus”3. Dessa forma, não há dúvidas que devemos romper com o espírito mundano. Mas, na prática, o que é este espírito do mundo?

O espírito do mundo e a escravidão 

Hoje, como em outros tempos, vivemos num mundo de escravidão, pois o pecado escraviza: “todo homem que se entrega ao pecado é seu escravo”4. O espírito do mundo é aquele que nos leva à escravidão do egoísmo, da vida fútil, do dinheiro, do poder, do prazer, das paixões, da televisão, da internet, da moda, do álcool, do cigarro, das drogas, do crime, da devassidão, da pornografia, do sexo fora do Matrimônio. Além disso, o Feminismo, o Comunismo, a Nova Era e tantas outras ideologias e culturas escravizam cada vez mais os homens e mulheres do nosso tempo.

O resultado de tudo isso é o desespero, a frustração, a neurose, a violência, a degradação religiosa e moral, a morte espiritual, como já dizia São Paulo: “o salário do pecado é a morte”5. Quando vivemos conforme o espírito do mundo, perdemos a nossa liberdade. Os escravos de amor são os únicos verdadeira e totalmente livres 6, pois vivem na liberdade dos filhos de Deus.

As consequências do apego ao espírito mundano

Quando nos apegamos ao espírito do mundo, a concupiscência da carne, que é a nossa tendência para o pecado, empurra-nos a todas essas escravidões, em nome da liberdade. Esta é uma liberdade falsa, que nos aprisiona quando nos entregamos a ela. Como outrora, em nosso tempo, o grito “é proibido proibir” continua a ressoar, abrindo as portas para todos os tipos de violências e depravações do corpo e da alma.
A paráfrase do trecho de um livro de Dostoiévski: “se Deus não existe, tudo é permitido”7, mal interpretada, retira todo e qualquer limite moral e religioso para aqueles que não creem. Quando o personagem desse livro diz “se Deus não existe”, está colocando uma premissa e não afirmando a inexistência de Deus; e, quando ele diz: “tudo é permitido”, está colocando as consequências do ateísmo, que nos leva ao neopaganismo. Mas, o Altíssimo existe, Se revelou plenamente em seu Filho e, em resposta ao Seu chamado, nos fazemos “escravos de Cristo”8 e inimigos do espírito do mundo.

A escravidão de amor a Jesus e a Maria – ao contrário do espírito do mundo, que nos aprisiona e nos leva à escravidão do pecado – nos torna verdadeiramente livres. Por isso, “os fiéis servidores de Maria devem desprezar, odiar e fugir muito do mundo corrupto, e servir-se das práticas de desprezo do mundo”9, que fazem parte da consagração. Esta escravidão de amor “fortalece a alma no bem, levando-a a não abandonar com facilidade os seus exercícios de devoção. Torna-a corajosa em opor-se ao mundo com as suas modas e máximas; à carne com seus aborrecimentos e paixões; e ao demônio com suas tentações”10.

Se formos verdadeiramente devotos da Santíssima Virgem, não seremos volúveis, melancólicos, escrupulosos, ou medrosos. Entretanto, isto não quer dizer que não caímos de modo algum, ou que não mudemos algumas vezes na sensibilidade da nossa devoção. Mas, se caímos, estendemos a mão à nossa bondosa Mãe e nos levantamos. Se perdemos o gosto e a devoção sensível, não nos perturbamos, pois “o justo e fiel servo de Maria vive da fé11 em Jesus e Maria, e não dos sentimentos do corpo”12.

A consagração e o desapego do espírito mundano

Assim, todos nós cristãos, especialmente aqueles que são consagrados a Virgem Maria ou se preparam para fazer a consagração, somos chamados a desapegar-nos do espírito do mundo. Pois, o espírito mundano é contrário ao Espírito de Deus, ao santo Evangelho e à escravidão de amor a Jesus e a Maria. Por isso, devemos desprezar, odiar e fugir deste mundo corrupto, e servir-nos das práticas de desprezo do mundo, o uso das correntes, a oração do Santo Rosário e a oração da Coroinha de Nossa Senhora13 e especialmente a devoção a Maria na Sagrada Comunhão14, para nos fortalecer no Espírito Santo.
Principalmente se estamos nos preparando para fazer ou renovar nossa consagração, seremos tentados e podemos até cair. Por isso, caso este fato venha a acontecer, não desanimemos, levantemo-nos de nossas quedas, confessemos os nossos pecados e retomemos o caminho da consagração a Jesus por Maria. Desde já, entreguemo-nos totalmente a Virgem Maria, para que sejamos inteiramente de Jesus Cristo.
Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

II – ENCONTRO DE REPRESENTANTES DAS ASSOCIAÇÕES LAICAIS NASCIDAS DOS CARISMAS DAS CONGREGAÇÕES RELIGIOSAS DAS MACRORREGIÕES NORTE E NORDESTE

De 03 a 05 de novembro de 2017, em Fortaleza/CE. A Irmã Judith Vieira de Farias, FDC (Assú/RN) e os Associados Amor Divino: Iraneide Dantas (Caicó/RN) e Victo Rudá (Currais Novos/RN), estiveram participando do II – ENCONTRO DE REPRESENTANTES DAS ASSOCIAÇÕES LAICAIS NASCIDAS DOS CARISMAS DAS CONGREGAÇÕES RELIGIOSAS DAS MACRORREGIÕES NORTE E NORDESTE.



















terça-feira, 7 de novembro de 2017

Festa de Nossa Senhora da Apresentação começa dia 11

A programação da festa da padroeira da Arquidiocese e da cidade de Natal, Nossa Senhora da Apresentação, tem início no próximo sábado, 11. Às 18 horas, haverá procissão, saindo da antiga Catedral para a Catedral Metropolitana, onde será celebrada missa solene, presidida pelo arcebispo, Dom Jaime Vieira Rocha.
No período de 12 a 20, a programação será intensa nas duas Igrejas. Na Igreja de Nossa Senhora da Apresentação (antiga Catedral), às 5 horas, acontecerá o ‘Caminhando com Maria’, saindo da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, culminando na antiga Catedral, com a celebração de missa. Às 16h30, haverá recitação do Ofício de Nossa Senhora e missa. Já, na Catedral Metropolitana haverá celebração de missa às 8h, às 11h e às 16 horas. Nos sábados, a celebração será às 11h e às 16h30, e, aos domingos, às 7h, às 11h e às 19 horas. Diariamente, às 19h, acontecerá a novena, seguida da parte sócio-cultural, com quermesse e apresentações de cantores e bandas potiguares, no pátio da Catedral.
Os festejos serão encerrados no dia 21 de novembro, feriado no município de Natal. Todo o novenário da festa será transmitido pela internet, através dos meios de comunicação da Arquidiocese de Natal.
A programação completa da festa está disponível no http://arquidiocesedenatal.org.br/wp-content/uploads/2017/10/FOLDER-2017.pdf 

ONU Brasil lança campanha pelo fim da violência contra a juventude negra

A Organização das Nações Unidas no Brasil lança hoje, dia 7 de novembro, em Brasília, a campanha “Vidas Negras”, pelo fim da violência contra jovens negros.
A iniciativa, ligada à Década Internacional de Afrodescendentes, envolve os 26 organismos da equipe de país da ONU. O objetivo é sensibilizar sociedade, gestores públicos, sistema de Justiça, setor privado e movimentos sociais a respeito da importância de políticas de prevenção e enfrentamento da discriminação racial.
Racismo
Para a ONU, o racismo é uma das principais causas históricas da situação de violência e letalidade a que a população negra está submetida. Atualmente, um homem negro tem até 12 vezes mais chance de ser vítima de homicídio no Brasil que um não negro, segundo o Mapa da Violência.
O lançamento, com divulgação de vídeos e materiais de campanha, terá início às 15h30, na Casa da ONU, em Brasília (DF), e contará com a presença do coordenador residente das Nações Unidas, Niky Fabiancic; de representantes do governo e da sociedade civil que atuam no tema; e do ator Érico Brás – apoiador da campanha “Vidas Negras” e participante dos vídeos e peças.
No Brasil, sete em cada dez pessoas assassinadas são negras. Na faixa etária de 15 a 29 anos, são cinco vidas perdidas para a violência a cada duas horas. De 2005 a 2015, enquanto a taxa de homicídios por 100 mil habitantes teve queda de 12% entre os não negros, para os negros houve aumento de 18%.
Agenda 2030
“O Brasil é um dos 193 países comprometidos com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Um dos principais compromissos dessa nova agenda é não deixar ninguém para trás em relação às metas de desenvolvimento sustentável, incluindo jovens negros. Com a campanha Vidas Negras, a ONU convida brasileiras e brasileiros a se engajarem e promoverem ações que garantam o futuro de jovens negros”, comenta o coordenador residente da ONU, Niky Fabiancic.
Segundo pesquisa realizada pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e pelo Senado Federal, 56% da população brasileira concorda com a afirmação de que “a morte violenta de um jovem negro choca menos a sociedade do que a morte de um jovem branco”. O dado revela o grau de indiferença com que os brasileiros têm encarado um problema que deveria ser de todos.
A campanha quer chamar atenção para o fato de que cada perda é um prejuízo para o conjunto da sociedade. Além disso, deseja alertar sobre como o racismo tem restringido a cidadania de pessoas negras de diferentes formas.
Vítimas da violência
Segundo dados recentemente divulgados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), de cada 1 mil adolescentes brasileiros, quatro vão ser assassinados antes de completar 19 anos. Se nada for feito, serão 43 mil brasileiros entre os 12 e os 18 anos mortos de 2015 a 2021, três vezes mais negros do que brancos.
Entre os jovens, de 15 a 29, nos próximos 23 minutos, uma vida negra será perdida e um futuro cancelado, segundo o Mapa da Violência. A campanha defende que esta morte precisa ser evitada e, para isso, é necessário que Estado e sociedade se comprometam com o fim do racismo — elemento-chave na definição do perfil das vítimas da violência.
Consciência Negra
As peças da campanha abordam diferentes facetas da questão, que vão da discriminação como obstáculo à cidadania plena; passam pelo tratamento desigual de pessoas negras em espaços públicos; e pelo vazio deixado pelos jovens assassinados nas famílias e comunidades; chegando até o problema da filtragem racial (escolha de suspeitos pela polícia, com base exclusivamente na cor da pele).
Participam dos vídeos e demais materiais, além de Érico Brás, Taís Araújo, Kenia Maria, Elisa Lucinda e o Dream Team do Passinho.
A campanha, principal ação do Sistema ONU Brasil no mês da Consciência Negra, não para por aí. Ela seguirá estimulando o debate sobre a necessidade urgente de medidas voltadas para superação do racismo nos diferentes segmentos da sociedade.
Por Rádio Vaticano

Papa: é preciso deixar-se "misericordiar" por Deus

Quando Deus dá um dom, este é irrevogável, não pode ser desfeito. Quando Deus chama, esta chamada permanece toda a vida. Assim começou a homilia do Papa Francisco nesta segunda-feira, 6, na Casa Santa Marta, inspirada pela “eleição de Deus”, presente na leitura do dia de São Paulo aos Romanos.
Na história da salvação, explicou o Papa, três foram os dons e os chamados de Deus ao seu povo. Todos irrevogáveis, porque Deus é fiel: “o dom da eleição, da promessa e da aliança”. Foi assim para Abraão, e é assim para cada um nos dias de hoje.
“Cada um de nós é um eleito, uma eleita de Deus. Cada um de nós carrega uma promessa que o Senhor fez: ‘Caminha na minha presença, seja irrepreensível e eu lhe farei isso’. E cada um de nós faz alianças com o Senhor. Pode fazê-las, não quer fazê-las – é livre. Mas isso é um fato. E também deve ser uma pergunta: como sinto eu a eleição? Ou me sinto cristão por acaso? Como eu vivo a promessa, uma promessa de salvação no meu caminho, e como sou fiel à aliança? Como Ele é fiel?”.
Comentando a leitura de São Paulo, Francisco explicou ainda que o Apóstolo repete quatro vezes duas palavras: “desobediência” e “misericórdia”. Onde há uma, comentou o Papa, está a outra e este é o caminho de Salvação.
“Isso quer dizer que no caminho da eleição, rumo à promessa e à aliança, haverá pecados, haverá a desobediência, mas diante desta desobediência há sempre a misericórdia. É como a dinâmica do nosso caminhar rumo à maturidade: sempre há a misericórdia, porque Ele é fiel, Ele não revoga os seus dons. Os dons são irrevogáveis e isso tudo está interligado, por quê? Porque diante das nossas fraquezas, dos nossos pecados, há sempre a misericórdia e quando Paulo chega a esta reflexão, faz um passo a mais: não de explicação a nós, mas de adoração”.
Francisco recomendou adoração e louvor silencioso diante deste mistério da desobediência e da misericórdia que torna livres e diante desta beleza dos dons irrevogáveis como são a eleição, a promessa e a aliança.
“Penso que pode nos fazer bem, a todos nós, pensar hoje na nossa eleição, nas promessas que o Senhor nos fez e como eu vivo a aliança com o Senhor. E como me deixo – permitam-me a palavra – misericordiar pelo Senhor, diante dos meus pecados, das minhas desobediências. E, no final, se eu sou capaz – como Paulo – de louvar Deus por aquilo que me deu, a cada um de nós: louvar e fazer aquele ato de adoração. Mas jamais se esquecer: os dons e a chamada de Deus são irrevogáveis”.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

O que acontecerá na Vinda do Senhor?

Sabemos que os cristãos esperam o Dia do Senhor, que será o Dia da Parusia, da Manifestação gloriosa de Cristo. Mas, em que consistirá esta Manifestação?
Primeiramente é necessário deixar bem claro que o Dia da Vinda do Senhor não é um dia entre os outros dias: é o Dia: Dia que já não pertence à sequência de dias do nosso modo de contar o tempo… Não é um dia de 24 horas. O Dia do Senhor não pertence mais a este nosso tempo; é um Dia sem fim, um Dia eterno, um Dia que já não é mais iluminado pela luz deste sol, mas pelo próprio Sol de Justiça, Cristo glorioso, pleno do esplendor do Espírito Santo.
Assim sendo, duas coisas devem ser claras para nós:
1. Não podemos marcar a data do Dia do Senhor: este Dia estará fora dos dias, meses e anos; já não pertence ao nosso tempo!
2. Também não podemos descrever o que ocorrerá neste Dia. Isto por um motivo simples: este Dia pertence já à eternidade, à Glória e, assim, não pode ser descrito nem comparado a nada neste mundo! Quando a Escritura usa imagens para falar deste Dia, é somente para nos dar uma ideia distante daquilo que ocorrerá. Querer descrever o final dos tempos é fundamentalismo tolo; é rebaixar o Dia eterno aos nossos pobres dias!
Uma coisa é certa: o Senhor virá, glorioso, pleno do esplendor do Espírito Santo, que o ressuscitou dos mortos. 

Prof. Felipe Aquino

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Canção Nova lança devocionário e livro dos Mártires

Nesta quinta-feira, 26, na Comunidade Canção Nova, na cidade de Cachoeira Paulista (SP), haverá o lançamento do “Devocionário dos Santos Mártires de Cunhaú e Uruaçu”, do arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, e do livro “O Grito do Amor”, do Padre José Pereira Neto, pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Canguaretama. Os dois livros foram publicados pela editora da Canção Nova.
Na quinta-feira, pela manhã, Dom Jaime e o Padre Neto cumprirão uma agenda de entrevistas, em Cachoeira Paulista. Às 14 horas, no Rincão do Meu Senhor, Padre Neto fará uma pregação com o tema: “Meu Senhor, Meu Deus”. Às 16 horas, no Santuário Pai das Misericórdias, será celebrada missa, presidida pelo arcebispo, Dom Jaime. Na ocasião, haverá o lançamento do Devocionário e do livro.
À noite, a partir das 20 horas, Dom Jaime e o Padre Neto participarão do programa “Escola da Fé”, apresentado pelo professor Felipe Aquino, na TV Canção Nova.

Categorias sociais

A atual Constituição Federal, de 1988, no seu quinto artigo, diz: “Todos são iguais perante a lei…”. O Evangelho de Jesus destaca o maior dos Mandamentos: “Amar a Deus e amar o próximo” (Mt 22,37-39). Mesmo sob o conjunto das normas aplicadas em categorias sociais diferentes, o amor é a lei maior, que deve superar as diversas realidades, que compõem a estrutura de uma sociedade.
As categorias não deveriam ter atitudes de contraposição. Para os seguidores de Jesus Cristo, o mandamento maior do amor os leva à prática evangélica. Quem ama a Deus, por consequência, deveria amar também o próximo, mesmo que ele seja de outra categoria. Na pessoa existe a estrutura humana como sustentáculo da existência. Internamente está presente a força da ação de Deus.
Em Jesus Cristo, o amor ao próximo foi na medida do amor do Pai do céu pelos seus filhos. Um amor de doação total, com requinte de morte na cruz. Foi uma prática diferente do que acontece hoje. Temos mortes provocadas com requintes de crueldade, de atitudes totalmente contra os indicativos do Evangelho. O sentido da vida humana, e divina, fica totalmente desrespeitado.
O amar a Deus e ao próximo, mesmo em categorias diferentes, não depende de quanto fazemos para Deus ou para o próximo, mas a forma como a pessoa se comporta nas suas intenções. Os frutos devem ser expressão da vontade de querer fazer e realizar concretamente o bem. Quem ama o próximo dentro desse contexto, automaticamente estará amando a Deus.
Há uma expressão, fundamental para identificar a vida das pessoas, que diz mais ou menos assim: ‘Não se deve fazer a outrem o que não é desejado para si mesmo’ (cf. Ex 22,20). O formato disso deve chegar ao coração de todas as pessoas, seja a qual categoria humana pertença. Tudo depende da sensibilidade interior, onde reina a força sagrada da consciência de cada indivíduo.
O próximo, aquele que Jesus fala, não é apenas o mais necessitado, o carente e marginalizado, mas a pessoa humana com quem existe convivência. O amor verdadeiro se expressa no relacionamento e na superação dos reais obstáculos da convivência, mesmo que sejam mínimos. É dentro disso que a vida passa a ter sentido e é assumida com uma alegria totalmente contagiante.
Por Dom Paulo Mendes Peixoto – Arcebispo de Uberaba

Calendário de eventos do Papa Francisco para os próximos meses

A Viagem Apostólica ao Chile e ao Peru, de 15 a 22 de janeiro de 2018, a Missa de 2 de novembro no Cemitério americano de Netuno e a Missa por ocasião do primeiro Dia Mundial dos Pobres no dia 19 de novembro na Basílica de São Pedro: estes são alguns dos compromissos do Papa Francisco para os meses de novembro, dezembro de 2017 e janeiro de 2018, confirmados no calendário de celebrações presididas pelo Pontífice e divulgado pelo Escritório para as Celebrações Litúrgicas.
O Papa celebra a Missa por ocasião de finados, no dia 2 de novembro, na cidade italiana de Netuno, e depois, no dia 3, na Basílica do Vaticano, celebra a Missa em sufrágios dos cardeais e bispos que morreram durante o ano. No dia 19 está prevista a Missa na comemoração do Dia Mundial dos Pobres, instituído no final do Jubileu da Misericórdia, e no domingo sucessivo, 26 de novembro, a partida para a viagem apostólica a Myanmar e Bangladesh.
Em 8 de dezembro, Solenidade da Imaculada Conceição, Francisco realiza o tradicional ato de veneração à Imaculada na Praça de Espanha, no centro de Roma. No dia 12 de dezembro, como todos os anos desde o início do pontificado, na Basílica de São Pedro, o Santo Padre celebra a Missa na Festa de Nossa Senhora de Guadalupe, Padroeira da América. Serão realizadas na Basílica Vaticana todas as celebrações de Natal: da Missa da Noite, às 21h30, (hora local) de domingo 24 de dezembro, à Solenidade da Epifania do Senhor, no sábado, 6 de janeiro.
No domingo, 7 de janeiro, o Papa Francisco celebra a Missa na Festa do Batismo de Jesus na Capela Sistina, onde batiza algumas crianças. As celebrações do mês de janeiro se encerram no Chile e Peru na peregrinação que o Papa realiza de 15 a 22 àquele mês.
Por Rádio Vaticano

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

CAMPANHA EM PROL DAS MÃES DA ÁFRICA SEGUE ATÉ 31 DE OUTUBRO

Quem ainda não colaborou financeiramente com o projeto ‘Mães da África’, tem até 31 de outubro para fazer as doações. As contribuições podem ser de qualquer valor e devem ser depositadas nos porquinhos distribuídos nas salas de aula pelo Serviço de Educação Religiosa (SER) do Neves. A campanha começou na Semana do Dia das Crianças e integra as iniciativas de cooperação relacionadas ao Mês Missionário.

Todo o dinheiro arrecadado ajudará as irmãs da Congregação Filhas do Amor Divino, que atuam no país como missionárias voluntárias, a dar continuidade ao trabalho de parto digno às grávidas que vivem em situação de vulnerabilidade social na República da Uganda, no leste africano. Além disso, auxiliará outras mulheres durante o período gestacional.

As doações são realizadas pelo Colégio há 10 anos e mobilizam toda a comunidade escolar. “É um momento para fazer o bem e intensificar a nossa solidariedade como irmãos em Cristo”, diz a coordenadora do SER, Jodalva Oliveira.

Antes do projeto ‘Mães da África’, as gestantes eram obrigadas a levar os utensílios médicos para realizar o pré-natal – uma vez que o governo local não concede o procedimento de forma totalmente gratuita – o que acabava afastando as mães das visitas médicas necessárias antes do parto.

Na iniciativa, as mulheres têm acesso ao kit bebê, que são bolsas com os materiais ideais para a realização dos exames que precedem o nascimento do filho. O kit vem com itens como agulha, algodão, álcool, pinça e remédios.

A idolatria do dinheiro mata, destaca Papa em homilia

O Papa Francisco começou a semana presidindo a Missa na capela da Casa Santa Marta nesta segunda-feira, 23. Em sua homilia, ele comentou o Evangelho de Lucas, que propõe a parábola do homem rico cujo dinheiro “é o seu deus”. Para o Papa, esta parábola leva a refletir sobre quanto é vão apoiar-se sobre os bens terrenos, destacando que o verdadeiro tesouro, ao invés, é a relação com o Senhor.
Diante da abundância da sua colheita, aquele homem não para: pensa em ampliar o próprio armazém e, “na sua fantasia”, prolongar a vida, explicou o Pontífice. Isto é, aposta em ter mais bens, não conhece saciedade, entra naquele movimento do consumismo exasperado, denuncia o Papa.
“É Deus que coloca o limite a este apego ao dinheiro. Quando o homem se torna escravo do dinheiro. E esta não é fábula que Jesus inventa: esta é a realidade. É a realidade de hoje. É a realidade de hoje. Muitos homens que vivem para adorar o dinheiro, para fazer do dinheiro o próprio deus. Tantas pessoas que vivem somente para isto e a vida não tem sentido. ‘Assim faz quem acumula tesouros para si – diz o Senhor – e não se enriquece junto a Deus’: não sabem o que é enriquecer-se junto a Deus”.
O Papa citou um episódio que aconteceu anos atrás na Argentina – “na outra diocese”, como gosta de definir Buenos Aires –, quando um rico empresário, mesmo consciente de sua doença, decide comprar teimosamente uma mansão, bem sabendo que em pouco tempo deveria se apresentar “diante de Deus”. E também hoje existem essas pessoas famintas de dinheiro e de bens terrenos, pessoas que têm “muitíssimo” diante de “crianças que não têm remédios, que não têm educação, que estão abandonadas”. Nesse cenário, Francisco denunciou sem meias palavras: trata-se “de uma idolatria que mata”, que faz “sacrifícios humanos”.
“Esta idolatria mata de fome muitas pessoas. Pensemos somente num caso: em 200 mil crianças rohingya nos campos para refugiados. Ali existem 800 mil pessoas. 200 mil são crianças. Mal têm o suficiente para comer, estão desnutridas, sem medicamentos. Também hoje isso acontece. Não é algo que o Senhor fala daqueles tempos: não. Hoje! E a nossa oração deve ser forte: Senhor, por favor, toca o coração dessas pessoas que adoram o deus, o deus dinheiro. Toca também o meu coração para que eu não caia nisso, que eu saiba ver”.
Outra consequência, prosseguiu o Papa, é a guerra. Inclusive a guerra familiar. “Todos nós sabemos o que acontece quando está em jogo uma herança: as famílias se dividem e acabam no ódio uma pela outra. O Senhor destaca com suavidade, no final: ‘Quem não se enriquece junto a Deus’. Este é o único caminho. A riqueza, mas em Deus. E não é um desprezo pelo dinheiro, não. É justamente a cobiça, como Ele diz: a cobiça. Viver apegados ao deus dinheiro”.
O Papa conclui explicando o motivo pelo qual a oração deve ser forte: rezar para buscar em Deus o sólido fundamento da existência.