terça-feira, 28 de março de 2017


Londres: Católicos e luteranos juntos na Catedral de São Jorge

Londres (RV) - "Um encontro que teria sido impossível há 50 anos e que permite a católicos e luteranos superar as tradições às quais se apegaram no decorrer dos séculos, como resultado de histórias diferentes, para reconhecer a presença de Cristo uns nos outros".


Palavras do Arcebispo de Birmingham, Dom Bernard Longley, pronunciadas na celebração que reuniu no domingo (26/03), na Catedral de São Jorge, em Londres, católicos e luteranos, em recordação aos 500 anos da Reforma protestante e os 50 anos de diálogo ecumênico.



Uma ocasião também para rezar pelas vítimas do terrorismo e recordar o ataque ocorrido na última semana em Westminster.

Tomaram parte na oração comum, entre outros, o Reverendo Martin Lind, Bispo da Igreja Luterana na Grã Bretanha e o Arcebispo de Southwark Peter Smith.



Católicos e luteranos agradeceram pelo Evangelho que partilham, expressando também arrependimento pela tristeza das divisões da Reforma e assumindo o compromisso de testemunhar a mensagem cristã em um mundo dividido e ferido.



Depois de ter recordado a história comum dos católicos e dos luteranos no Reino Unido e as figuras mais importantes dos bispos que a construíram, o Arcebispo Longley disse que "hoje as duas Confissões têm a oportunidade de comprometerem-se novamente, em trabalhar e rezar juntos pela unidade dos cristãos".



"O caminho que nos leva próximos uns dos outros - disse ainda Dom Longley - é a obediência ao chamado de Cristo como expressão no Sermão da Montanha: Vós dois o sal da terra". (JE/SIR)



90 anos de sonhos e celebração

O dia 09 de março de 2017, ocasião em que o Educandário Nossa Senhora das Vitórias (ENSV) comemorou 90 anos de existência, ficará para sempre gravado em nossas mentes e em nossos corações. Esta data é tão especial na história do Educandário, que durante as festividades deste ano, a chuva abriu caminhos para Nossa Senhora das Vitórias e ela brilhou mais uma vez.
Nada consegue explicar a alegria de ver as demonstrações de amor e orgulho no olhar de cada assuense que assistiu a esse momento de celebração. O Educandário Nossa Senhora das Vitórias é narrador e personagem na história educacional do Vale do Açu. Por isso, 90 vezes, muito obrigado!




Duas exigências fundamentais para quem quer servir a Deus 

Deus escolheu Abraão para, a partir dele, gerar o Seu Povo, de onde um dia nasceria o Salvador da humanidade. Para isso, Deus chamou Abraão da Mesopotâmia, na cidade de Ur, na Caldeia, para uma longa viagem até a Palestina, e fez com ele uma Aliança, um pacto.



Abraão tinha 90 anos, o Senhor apareceu-lhe e disse-lhe: “Eu sou o Deus Todo-poderoso. Anda em minha presença e sê íntegro; quero fazer aliança contigo e multiplicarei ao infinito a tua descendência”. Abraão prostrou-se com o rosto por terra. Deus disse-lhe: “Este é o pacto que faço contigo: serás o pai de uma multidão de povos” (Gn 17,1-4). Foi uma Aliança decisiva para a salvação da humanidade.



Chama a nossa atenção a exigência marcante que Deus fez a Abraão: “Anda na minha presença e sê integro”. São duas exigências fundamentais para aqueles que querem servir a Deus e a quem Deus usa para realizar os seus santos desígnios.



Deus não pode contar com quem não “anda em Sua Presença”, isto é, quem não tem sintonia permanente com Ele; quem não ouve a sua Voz, suas inspirações; quem não medita suas palavras e não faz silêncio para ouvir os Seus chamados no meio da noite. “Anda em minha Presença”.



Deus é onisciente e onipresente, está presente em toda parte, acompanha todos os nossos gestos, palavras e pensamentos. O salmista deixa isso muito claro no Salmo 138, o da onisciência divina: “Senhor, vós me perscrutais e me conheceis, sabeis tudo de mim, quando me sento ou me levanto.



De longe penetrais meus pensamentos. Quando ando e quando repouso, vós me vedes, observais todos os meus passos. A palavra ainda me não chegou à língua, e já, Senhor, a conheceis toda. Vós me cercais por trás e pela frente, e estendeis sobre mim a vossa mão.



Conhecimento assim maravilhoso me ultrapassa, ele é tão sublime que não posso atingi-lo. Para onde irei, longe de vosso Espírito? Para onde fugir, apartado de vosso olhar? Se subir até os céus, ali estareis; se descer à região dos mortos, lá vos encontrareis também. Se tomar as asas da aurora, se me fixar nos confins do mar, é ainda vossa mão que lá me levará, e vossa destra que me sustentará… Fostes vós que plasmastes as entranhas de meu corpo, vós me tecestes no seio de minha mãe… conheceis até o fundo a minha alma. Nada de minha substância vos é oculto, quando fui formado ocultamente, quando fui tecido nas entranhas subterrâneas” (Sl 138,1-15).





PORTO ALEGRE REALIZA ENCONTRO DE PARTILHA COM IRMÃS DA UGANDA

Na tarde do último dia 19 de março, os grupos do Carisma de Porto Alegre, RS, Sementinha do Amor Divino, Tecendo Amor Divino e Peregrinos do Amor Divino, realizaram um encontro com as Irmãs de Uganda, África.

Irmã M. Alaíde Miôr e Irmã Marlene Teresinha Webler, ambas da vice província Jesus Misericordioso, compartilharam um pouco da missão das Filhas do Amor Divino em Rushooka e Kagando, que pertence de Uganda, África, onde as Irmãs atuam. Irmã M. Alaíde é a atual Superiora Provincial da Vice Província.

Foi uma tarde rica de partilha, convivência e de sempre mais conhecer e se comprometer com o Carisma do Amor Divino: "Fazer o bem, alegrar, tornar feliz e conduzir ao céu" (Madre Francisca Lechner).

Março: mês de São José

Deus escolheu São José para ser o amparo e a proteção da Virgem Mãe e o pai adotivo de
Cristo.

São José protegeu e serviu a Mãe de Deus com pureza virginal. Ele foi, segundo as palavras de São Bernardo, “o servo fiel e prudente que o Senhor estabeleceu como sustentáculo de sua Mãe e pai adotivo de sua humanidade, e o único fiel colaborador dos desígnios de Deus, aqui na terra”.
A Sagrada Escritura celebra, expressamente, a sua bondade (Mateus 1, 19) e relata o piedoso desvelo com o qual ele ocupou importante lugar na vida do Senhor e da Mãe de Deus. É por causa desta piedosa solicitude que invocamos São José, para que ele proteja o cristianismo, assim como, outrora, ele protegeu Jesus Cristo e Maria.
Além da celebração do dia 19 de março, a Igreja também homenageia o santo padroeiro dos trabalhadores, no dia primeiro de maio. E não só isso: a devoção dos cristãos dedicou o mês de março inteiro à veneração de São José.

Papa vai canonizar Mártires de Cunhaú e Uruaçu

Os beatos mártires de Cunhaú e Uruaçu serão canonizados. O anúncio foi feito na última quinta-feira (23), em audiência do Papa Francisco com o Cardeal Angelo Amato, Prefeito da Congregação da Causas dos Santos. O Santo Padre aprovou os votos favoráveis da Sessão Ordinária dos Cardeais e Bispos Membros da Congregação sobre a canonização dos beatos André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro, padres e Mateus Moreira, juntamente com seus 27 companheiros leigos. Além dos Protomártires do Brasil, Francisco vai canonizar outros beatos, como os pastorzinhos de Fátima. Após a aprovação, o próximo passo será a assembleia dos cardeais com o Papa, para definir o local e data para a canonização.
O processo de canonização estava na Congregação para a Causa dos Santos, no Vaticano, desde o segundo semestre de 2015, por indicação do pontífice. No mês de setembro do ano passado, o Arcebispo Metropolitano, Dom Jaime Vieira Rocha esteve em Roma, participando de uma audiência com o Papa Francisco para tratar sobre a canonização. No mês de outubro, a Arquidiocese de Natal recebeu a visita do Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni D’Aniello. Na ocasião, o representante do Papa no país conheceu os locais dos martírios e pode presenciar a devoção do povo potiguar aos beatos.

A luta ente dois amores: amor e egoísmo



A batalha espiritual entre a Mulher revestida de sol e o Dragão vermelho pode ser compreendida como a luta entre dois amores: amor e egoísmo.
Santo Agostinho diz que a história da humanidade consiste na luta entre dois amores: amor e egoísmo. Esta batalha espiritual entre amor e egoísmo está presente simbolicamente no livro do Apocalipse, na Mulher revestida de sol e no grande Dragão vermelho.

Estas duas formas de interpretar a história da humanidade primeiramente nos ajudam a identificar de qual lado dessa batalha espiritual nós estamos lutando. A partir disso, somos chamados a fazer uma escolha entre o amor e o egoísmo, entre a Mulher e o Dragão. Pois, não há como conciliar essas realidades, pois são antagônicas, incompatíveis entre si.


A batalha espiritual entre a Mulher e o Dragão

Na sua célebre obra “A Cidade de Deus”, Santo Agostinho afirma que toda a história humana, a história do mundo, consiste na luta entre dois amores:
Dois amores fazem duas cidades: uma é terrestre, obra do amor de si até ao desprezo de Deus; a outra, celeste, obra do amor de Deus até ao desprezo de si. Fecerunt itaque civitates duas amores duo: terrenam scilicet, amor sui usque ad contemptum Dei; cœlestem vero, amor Dei usque ad contemptum sui[1].
Esta interpretação da história como luta entre dois amores: o amor e o egoísmo, aparece também no livro do Apocalipse de São João:

Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. Estava grávida e gritava de dores, sentindo as angústias de dar à luz. Depois apareceu outro sinal no céu: um grande Dragão vermelho, com sete cabeças e dez chifres, e nas cabeças sete coroas. Varria com sua cauda uma terça parte das estrelas do céu, e as atirou à terra. Esse Dragão deteve-se diante da Mulher que estava para dar à luz, a fim de que, quando ela desse à luz, lhe devorasse o filho (Ap 12, 1-4).
Nesta passagem das Sagradas Escrituras, estes dois amores aparecem representados por duas grandes figuras. Em primeiro lugar, há o grande Dragão vermelho, fortíssimo, com uma manifestação impressionante e inquietadora do poder sem a graça, sem o amor, do egoísmo absoluto, do terror e da violência. No contexto histórico em que São João escreveu o livro do Apocalipse, este Dragão fazia-se presente no poder dos imperadores romanos anticristãos, de Nero a Domiciano (de 54 a 96 a.C.). O poder do Império Romano parecia ilimitado. O poder militar, político, propagandístico do Império era tão grande, que diante dele a fé, a Igreja, poderia ser comparada com uma mulher indefesa, sem possibilidade de sobreviver, e muito menos de vencer. Quem poderia opor-se a este poder que parecia quase onipotente, capaz de realizar tudo? Entretanto, sabemos que, no final, a Mulher, aparentemente frágil e indefesa, venceu. O egoísmo não venceu, nem o ódio. Mas, o amor de Deus venceu, e o Império Romano abriu-se à fé cristã.


90 anos de sonhos e celebração!


09 de março de 2017 será para sempre uma data marcante para nossa escola... O dia em que, na celebração dos nossos 90 anos, a chuva abriu caminhos para Nossa Senhora das Vitórias e ela brilhou, mais uma vez... Nada consegue explicar a alegria de ver a demonstração de amor no olhar de cada assuense que assistia a esse momento de celebração. 

O Educandário Nossa Senhora das Vitórias é narrador personagem na história educacional do Vale do Açu. 

Por isso, noventa vezes, muito obrigado! #SempreENSV #90Anos #SonhoseCelebração

terça-feira, 21 de março de 2017

Arcebispo se encontra com sem terra em Ceará-Mirim


O Arcebispo Metropolitano, Dom Jaime Vieira Rocha, visitou o acampamento Irmã Dorothy, no município de Ceará-Mirim, neste sábado, 18. No início da visita, Dom Jaime se encontrou com lideranças do acampamento e de outros assentamentos da região, no barracão do Movimento dos Sem Terra (MST). Na ocasião, foi feito um relato sobre a situação do Acampamento Irmã Dorothy. 

Há 12 anos, mais de 70 famílias estão acampadas, aguardando a desapropriação da terra que, segundo elas, é improdutiva. “Tudo começou em 2005, quando a usina São Francisco, aqui, na região, estava falindo. O MST sentiu a necessidade de mobilizar os trabalhadores da usina para lutar pela terra, já que eles não tinham mais onde trabalhar. 

De lá para cá, são 12 anos de luta e de resistência. Várias pessoas já conseguiram ir para assentamentos em Elói de Souza, João Câmara e Touros. Atualmente, aqui, temos 75 famílias acampadas, lutando pela terra”, contou Gerson Justino, uma das lideranças do MST, no acampamento.

No final da reunião, foi lida uma nota, feita em nome da comunidade e assinada pelos representantes da Igreja Católica e dos próprios acampados e assentados, para ser enviada às autoridades responsáveis pela legalização da desapropriação da terra. A nota também foi assinada pelo superintendente do INCRA, no Rio Grande do Norte, Leonardo Guedes, que participou da reunião.

A celebração da missa contou com a participação de dezenas de fiéis, do Acampamento Irmã Dorothy e de mais 18 assentamentos rurais

Papa: confessionário não é lavanderia onde se tira manchas

“Ser perdoado e perdoar: um mistério difícil de entender. É preciso oração, arrependimento e vergonha”, disse o Papa Francisco na Missa desta terça-feira, 21, na Casa Santa Marta. O Pontífice reiterou a importância de estar consciente da maravilha que Deus realiza com a sua misericórdia e de exercê-la depois com os outros.
O perdão é um mistério difícil de se entender, ressaltou o Santo Padre. O primeiro passo para penetrar neste mistério, a grande obra de misericórdia de Deus, é envergonhar-se dos próprios pecados, uma graça que não se pode obter sozinhos. O povo de Deus, triste e humilhado por suas culpas, é capaz de senti-la, enquanto o protagonista do Evangelho do dia não consegue fazê-lo. É o servo que o patrão perdoa apesar de suas grandes dívidas, mas que por sua vez, é incapaz de perdoar seus devedores. “Ele não entendeu o mistério do perdão”, destacou Francisco, falando da realidade de hoje.
“Se eu pergunto: ‘Vocês são todos pecadores?’ – ‘Sim, padre, todos’ – ‘E para receber o perdão dos pecados?’- ‘Nos confessamos’ – ‘E como você se confessa?’- ‘Vou, digo meus pecados, o padre me perdoa, me dá três Ave Marias para rezar e vou embora em paz’.
“Você não entendeu! Fazendo assim, você foi ao confessionário fazer uma operação bancária ou um processo burocrático. Não foi lá envergonhado pelo que fez. Viu algumas manchas em sua consciência e errou, porque pensou que o confessionário fosse uma lavanderia para limpar as manchas. Você foi incapaz de envergonhar-se por seus pecados”.
Canção Nova

Dia Internacional contra a Discriminação Racial

Os ensinamentos de Jesus Cristo, narrados pelos evangelistas, iluminam a caminhada dos cristãos e, essa luz todos conhecemos bem e nos alimentamos dela. Quem nunca ouviu dizer: “Não julguem, e vocês não serão julgados”? (Mateus 7,1). E quem diria que o pecado que corrompe o homem nos levaria além do julgamento dos pecados do próximo, mas nos faria julgar o irmão, sem qualquer motivo, simplesmente pela cor da pele?
Se um irmão que conhecemos falhar no caminho da fé, não nos cabe o julgamento, não devemos lançar uma pedra. Àqueles que conhecemos, nossa opinião se forma por conceitos. Àqueles que não conhecemos, nossa opinião é um “pré-conceito”. Mas o que justificaria lançar pedras àquele que acabamos de conhecer e de quem nada sabemos?
Historicamente, o racismo tem deixado feridas profundas na humanidade. Entre os anos de 1948 e 1994, a população negra da África do Sul viu-se oprimida por uma rigorosa legislação separatista, conhecida como Apartheid. Em um breve resumo, neste período, os negros (maioria no país), não tinham direitos políticos, só podiam adquirir terras em localidades afastadas e as relações amorosas entre pessoas de etnias diferentes eram proibidas.
O ápice desse regime ocorreu em 21 de março de 1960, quando a polícia abriu fogo em uma manifestação pacífica contra a aprovação das leis do Apartheid, matando sessenta e nove pessoas. O acontecimento ficou conhecido como “o massacre de Sharpeville”. Foi então que, no ano de 1966, a ONU (Organização das Nações Unidas) declarou o dia 21 março como o Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial em um convite a todos os povos do mundo, para redobrar os esforços no combate às diversas formas de discriminação racial.

sábado, 18 de março de 2017

O SANTO DO DIA

São Cirilo ajudou os corações dos fiéis a mergulharem no mistério pascal, que é o coração da fé católica

Nasceu no ano de 315, e foi muito bem formado em Jerusalém. Ordenado sacerdote, poucos anos depois, em 348, já era bispo. Faleceu em 386. Empenhou-se nas catequeses para bem formar o povo de Deus, na verdade e no amor, formando-os também com sua vida. Muitos cristãos cediam às heresias, e Cirilo pagou o preço. Por três vezes foi desterrado sendo que, na última vez, teve que ficar 11 anos fora do seu pastoreio, percorrendo cidades na Ásia, como um peregrino, tendo uma vida cenobítica até que em 362 pôde retornar.
São Cirilo ajudou os corações dos fiéis a mergulharem no mistério pascal, que é o coração da fé católica: o Crucificado que ressuscitou. Deixou muito presente para os cristãos do século IV a verdade da Eucaristia. Ele ensinava que era preciso fazer com as mãos, um trono – mão esquerda apoiada sobre a direita, para receber o Corpo do Senhor. E de estarmos atentos aos fragmentos, onde também há a presença real de Jesus.
São Cirilo, rogai por nós!

terça-feira, 14 de março de 2017




FDC RECEBE JOVENS VOCACIONADAS NA INGLATERRA DEPOIS DE 40 ANOS





Um acontecimento especial – Foi desta forma que o Jornal Inglês Catholic East Anglia se referiu ao surgimento de jovens vocacionadas, solicitando ingresso na Congregação Filhas do Amor Divino. As Irmãs da Vice Província da Inglaterra consideram este fato como uma graça especial, uma vez que a Congregação estava há 40 anos sem receber novos membros. De repente, começam a surgir jovens pedindo para serem admitidas na Congregação. Agora já são cinco novatas, número que corresponde a quase o dobro de Irmãs que a Vice Província tinha. Para o Jornal Inglês “este é um acontecimento especial”.

A manchete do jornal já revela a alegria com que a admissão das jovens vocacionadas foi recebida: Joy as five new nuns join order - Alegria como cinco freiras novas se juntam à Ordem.

Segundo o jornal, uma vice-província de religiosas católicas recebeu um enorme impulso com a adição de cinco novas potenciais jovens irmãs, quase dobrando seu total anterior de sete, e a primeira da Inglaterra em quase 40 anos. Em uma cerimônia pública extremamente rara, as Filhas da Divina Caridade, cuja casa mãe está situada em Swaffham, acolheram uma postulante, duas noviças e duas irmãs no dia 28 de agosto.

As duas noviças – Mary Gonçalves e Anna Yeo - foram admitidas à Ordem e duas irmãs - Renata Pivarnikova e Michaela Switaj - fizeram os primeiros votos durante uma Missa presidida pelo Bispo Alan, na igreja de Nossa Senhora da Piedade, em Swaffham. Tais cerimônias geralmente ocorrem de maneira privada, dentro de um convento, mas uma exceção especial foi feita desta vez, porque os dois passos diferentes de formação ocorreram no mesmo dia, o que é muito raro.

Os membros mais antigos da Ordem, que tem sede na Áustria e tem mais de 1.000 irmãs em todo o mundo, estiveram presentes à Celebração. Na vice-província do Sagrado Coração Inglês, a irmã dirige a Escola do Sagrado Coração, em Swaffham, um berçário, em Chesterfield e uma pequena casa de cuidados, em Hunstanton......

...... Dom Alan disse à Congregação: "É uma alegria especial estar aqui para compartilhar esta ocasião especial com as irmãs que desempenham um papel importante na Diocese de Anglia Oriental e também na Igreja Católica do Reino Unido. Esta ocasião é um testemunho da força e vitalidade da vida religiosa. "

ENSV Fazendo História

90 anos do Educandário Nossa Senhora das Vitórias, de Assu/RN



Fazer o bem com ações concretas, não com palavras, pede Papa

Depois do retiro de Quaresma, o Papa retomou nesta terça-feira, 14, a celebração da Missa na capela da Casa Santa Marta, onde reside no Vaticano. Na homilia de hoje, ele indicou o caminho da conversão quaresmal, inspirando-se na primeira Leitura: fazer o bem com ações concretas, não com palavras.
O Profeta Isaías exorta a afastar-se do mal e a aprender a fazer o bem, um binômio inseparável neste percurso. Francisco explicou que cada pessoa faz algo de mau todos os dias, o problema está em se acostumar a viver nas “coisas feias”; é preciso afastar-se daquilo que envenena a alma e a torna pequena. É preciso aprender a fazer o bem, pontuou o Santo Padre.
“Não é fácil fazer o bem: devemos aprendê-lo, sempre. E Ele nos ensine. Mas: aprendam. Como as crianças. No caminho da vida, da vida cristã se aprende todos os dias. Deve-se aprender todos os dias a fazer algo, a ser melhores do que o dia anterior. Aprender. Afastar-se do mal e aprender a fazer o bem: esta é a regra da conversão. Porque converter-se não é consultar uma fada que com a varinha de condão nos converte: não! É um caminho. É um caminho de afastar-se e de aprender”.
Portanto, necessita-se coragem para afastar-se e humildade para aprender a fazer o bem que se explicita em fatos concretos”.
“Ele, o Senhor, aqui diz três ações concretas, mas existem muitas outras: busquem a justiça, socorram o oprimido, façam justiça ao órfão, defendam a causa da viúva… mas, ações concretas. Aprende-se a fazer o bem com ações concretas, não com palavras. Com fatos… Por isso, Jesus, no Evangelho que ouvimos, repreende esta classe dirigente do povo de Israel, porque ‘diz e não faz’, não conhecem a concretude. E se não há concretude, não pode haver a conversão”.
Depois, a primeira leitura prossegue com o convite do Senhor: “Vinde, debatamos”. “Vinde”: uma bela palavra, disse Francisco, uma palavra que Jesus dirigiu aos paralíticos, à filha de Jairo, assim como ao filho da viúva de Naim. E Deus nos dá uma mão para “ir”. E é humilde, se abaixa muito para dizer: “Vinde, debatamos”. O Papa ressaltou o modo com que Deus ajuda: caminhando junto, para ajudar o homem, para explicar as coisas, para tomá-los pela mão. O Senhor é capaz de fazer este milagre, isto é de transformar o homem, não de um dia para outro, mas no caminho.
“Convite à conversão, afastem-se do mal, aprendam a fazer o bem … ‘Vinde, debatamos, vinde a mim, debatamos e prossigamos’. ‘Mas tenho muitos pecados …’ – ‘Mas não se preocupe: se os seus pecados são como escarlate, se tornarão brancos como a neve’. E este é o caminho da conversão quaresmal. Simples. É um Pai que fala, é um Pai que nos quer bem, nos quer bem, bem. E nos acompanha neste caminho de conversão. Ele nos pede somente que sejamos humildes. Jesus diz aos dirigentes: ‘Quem se exaltar, será humilhado e quem se humilhar será exaltado’”.
Este é, portanto, o caminho da conversão quaresmal: afastar-se do mal, aprender a fazer o bem, levantar-se e ir com Ele. “Então, os nossos pecados serão todos perdoados”.

Canção Nova

Neves: 66 alunos tomam posse no Colegiado Discente


Tomou posse, na última quinta-feira (9), a nova equipe do Colegiado Discente 2017 do Colégio Nossa Senhora das Neves. A investidura ocorreu durante o último momento cívico da gestão Audácia.
Até março do ano que vem, 66 alunos do 6º ano do Ensino Fundamental à 2ª série do Ensino Médio, serão os responsáveis pelas questões relacionadas ao ambiente escolar e ações voltadas à melhoria do espaço físico, acadêmico e a dinâmica das atividades extracurriculares.

Ações do Santa Teresinha na Formação Continuada

O Educandário Santa Teresinha de Caicó/RN, com objetivo de nivelar as ações e adotar novas metodologias no processo de formação profissional, visando momentos de avaliação e reflexão dos processos educacionais, que norteará o trabalho do professor e de cada setor da escola no ano letivo de 2017, realizou, no dia 11 de março, o Encontro de Formação Continuada. 

O evento teve como principal debate o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”, da Campanha da Fraternidade 2017, que buscar alertar para o cuidado da criação dos biomas brasileiros, enfatizando a diversidade, de modo especial, de cada bioma e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam.

O mesmo aconteceu nas dependências do EST e contou com a participação de professores, coordenadores, funcionários e a comunidade religiosa da escola.






segunda-feira, 13 de março de 2017




10 ANOS DA PASSAGEM DE DOM IVO 



Por Irmã Lourdes Dill, FDC
Coord. do Projeto Esperança/Cooesperança
E-mail: lourdesdill@hotmail.com



No dia 05 de março de 2017 completam-se os 10 anos da morte de Dom Ivo Lorscheiter, Profeta e Gigante da Esperança e Cidadão do Mundo. Queremos neste dia fazer uma profunda unidade com toda Arquidiocese de Santa Maria e lembrar com muito carinho, este homem que marcou a nossa vida e história de Santa Maria, deixando um legado tão significativo para todos nós.
O legado que Dom Ivo nos deixou tem muitas facetas que merecem ser destacadas, lembradas e muito valorizadas: 1º) Foi um homem de Fé, de coragem e ousadia; 2º) Foi um Pastor da simplicidade e proximidade do seu rebanho; 3º) Foi um Cristão, Sacerdote, Bispo e amigo e exemplar; 4º) Foi um comunicador que sensibilizava os meios de comunicação para transmitir as verdades da Fé, Economia e Política; 5º) Foi um homem de esperança e por isso foi lhe dado o nome de Profeta e Gigante da Esperança e Cidadão do Mundo; 6º) Foi um homem sábio de discernimento maduro, perspicaz e projetivo; 7º) Foi um grande amigo dos pobres e interlocutor de todas as classes sociais do Cooperativismo, Economia Solidária e Políticas Públicas; 8º) Foi um educador exímio e de grande sabedoria: 9º) Foi um homem calmo, sereno e virtuoso; 10º) Foi um homem de diálogo Ecumênico; 11º) Foi um homem de horizontes largos, visão de futuro e consciência política e cidadã; 12º) Foi um homem marcado pela pobreza e simplicidade de ser, viver e agir. Viveu com o estritamente necessário; 13º) Foi um homem das causas sociais, proféticas e transformadoras, na perspectiva de “Um outro mundo possível” de vida e dignidade para todos.
Contribuiu muito com a Igreja do Brasil, sendo por duas vezes Presidente e duas vezes Secretário da CNBB. Enfrentou os duros anos da Ditadura Militar. Foi um apoiador da Reforma Agrária, das Alternativas à Cultura do Fumo e das Feiras do Cooperativismo e da Economia Solidária.

No ano em que completa os 10 anos de sua passagem para a Casa do Pai, celebraremos também importantes Jubileus em 2017, que fazem parte do seu legado e teve uma intensa participação dele na criação e fomento destes projetos: 25 anos do Feirão Colonial; 30 anos do Projeto Esperança/Cooesperança; 25 anos da ASMAR e 40 anos do Banco da Esperança. São projetos ousados, proféticos e transformadores que foram apoiados por ele e que tiveram uma significativa participação de lideranças da Diocese de Santa Maria, da Cáritas RS e das Universidades, que se somaram aos ideais proféticos de Dom Ivo.

Estes projetos todos, são levados adiante por um grupo significativo de pessoas que acreditam nas mudanças sociais e no apoio da Igreja na dimensão Social e Ecumênica e contam com o apoio do nosso Arcebispo Dom Hélio Adelar Rubert, das lideranças da Arquidiocese e outras parcerias. Todos nós, somos profundamente gratos por este belíssimo legado deixado por Dom Ivo e esperamos que de lá onde ele está, interceda por nós, pela Igreja, pela Arquidiocese de Santa Maria, pelo Brasil e pelo mundo. Lembramos com muito carinho as frases que ele usava muito para animar as pessoas: “Força e Coragem”; “Vai, envolva o mundo na Esperança”; “Não deixe nunca a Esperança morrer em Você”.


O Papa pergunta: “O que aconteceria se usássemos a Bíblia como usamos o celular”?


(ZENIT – Cidade do Vaticano. 5 mar. 2017) – O Papa Francisco comentou neste último domingo, antes da oração do Ângelus, diante a Praça de São Pedro, que Jesus venceu as tentações do Diabo “com a Palavra de Deus”.
“Por isso é preciso – disse Francisco – conhecer bem, ler, meditar e assimilar a Bíblia, pois a Palavra de Deus é sempre atual e eficaz”.
“O que aconteceria se usássemos a Bíblia como usamos o nosso celular? Se a levássemos sempre conosco (ou pelo menos um Evangelho de bolso), o que aconteceria? Se voltássemos quando a esquecemos, se a abríssemos várias vezes por dia; se lêssemos as mensagens de Deus contidas na Bíblia como lemos as mensagens em nosso celular, o que aconteceria? É uma comparação paradoxal, mas faz pensar…” indicou o Papa
“Com efeito, se tivéssemos a Palavra de Deus - sublinhou Francisco - sempre no coração, nenhuma tentação poderia nos afastar de Deus e nenhum obstáculo poderia nos desviar do caminho do bem; saberíamos vencer as propostas do Mal que está dentro e fora de nós; e seríamos mais capazes de viver uma vida ressuscitada segundo o Espírito, acolhendo e amando nossos irmãos, especialmente os mais frágeis e carentes, inclusive nossos inimigos”.
Depois da oração do Ângelus, o Santo Padre lembrou que o caminho de conversão da Quaresma requer de nós muita oração, jejum e obras de caridade. E pediu a todos que rezem por ele e seus colaboradores, que nesta esta semana estarão fazendo os exercícios espirituais.



Pós-Graduação em Filosofia da Educação divulga edital de seleção para turma de especialização



A Coordenação da Pós-Graduação em Filosofia da Educação (PGFILE – Lato Sensu) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) divulgou edital para uma nova turma da Especialização em Filosofia da Educação. No total serão oferecidas 35 vagas e as inscrições começam na próxima segunda-feira (13), seguindo até o dia 23 de março. A Especialização dispõe de uma carga horária de 360 horas/aula, tendo como público-alvo professores das áreas de Ciências Humanas e Sociais.

As inscrições serão efetuadas através do e-mail filosofia@uepb.edu.br e posteriormente ratificadas com o envio dos documentos pertinentes à inscrição, via correios ou entregues diretamente na secretaria do curso, no horário das 8h às 12h e das 19h às 21h, na Rua Domitila Cabral de Castro, S/N – 1º andar, Sala 126-B, Bairro Universitário – CEP: 58.429-570, Campina Grande – PB.

São necessários para se inscrever a ficha de inscrição devidamente preenchida e assinada; declaração de ciência dos termos do edital de seleção; cópia autenticada do diploma de graduação, devidamente registrado, ou outra documentação que comprove estar o candidato em condições de concluir o curso de graduação, antes do início do curso de especialização; cópias do documento de identidade, CPF, título de eleitor e comprovante da última votação; comprovante de quitação com o Serviço Militar; uma cópia do Currículo Lattes em versão impressa e encadernado com documentos comprobatórios; três cópias do projeto de pesquisa.

Constam como temas de pesquisa contemplados pela Especialização: Teoria Crítica e Educação; Estética e Educação; Fundamentos Filosóficos e Éticos em Educação; Educação e Hermenêutica; Filosofia da Educação; Antropologia Filosófica e Educação; Vanguardas Filosóficas e Educacionais: Neoliberalismo, Pós-Modernismo e Marxismo no Pensamento Pedagógico Contemporâneo; Filosofia e Políticas Públicas Educacionais.

O processo seletivo da Pós-Graduação em Filosofia da Educação compreenderá prova escrita e análise do projeto de pesquisa e Curriculum Lattes. Ambas as etapas são eliminatórias e classificatórias. A prova escrita ocorrerá no dia 8 de abril, na Central de Integração Acadêmica.

As aulas da Especialização serão ministradas aos sábados, das 7h às 12h e das 13h às 18h. Expositivas e dialogadas, elas abrangerão atividades variadas, a exemplo de seminários, análises de textos, elaboração de relatos de experiência, entre outros trabalhos executados dentro e fora da sala de aula. A duração total do curso é de 11 meses, com início em abril deste ano e término em fevereiro de 2018.

A Especialização em Filosofia da Educação é coordenada pelos professores Valmir Pereira e Vagda Gutemberg Gonçalves Rocha. O resultado da seleção será divulgado na página da Universidade Estadual da Paraíba [www.uepb.edu.br], bem como no seu endereço institucional. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (83) 3344-5318. Confira o edital clicando. Texto: Oziella Inocêncio





GRUPO AFDC REALIZA ELEIÇÕES PARA ESCOLHA DE NOVA DIRETORIA 

O Grupo de Associados Amor Divino Irmã Edwiges Witkowska (Natal/RN) realizou, na tarde deste último sábado, dia 11/03, uma eleição para escolha de novos membros para sua diretoria.
A eleição foi realizada por aclamação, culminando com a escolha dos seguintes nomes: Para presidente, Nadja Lira; Secretária, Maria das Graças Gonsalves, Tesoureira, Siurinha Bernardo e como Líder Espiritual, a Irmã Ana Regina Sousa
A eleição foi realizada obedecendo à tradição do Grupo de Associados, cuja diretoria mantém seus trabalhos por dois anos. A diretoria anterior formada por Nilzete Palhares (Presidente e Tesoureira), Socorro Barbosa (Secretária) e como Líder Espiritual, a Irmã Maria Edneide Silva desenvolveu uma grande realização, uma vez que além de formar o Grupo, conseguiu conquistar e manter novos membros.
A formação atual, portanto, tem diante de si um grande desafio: o de manter o Grupo unido e firme respeitando o lema da Madre Francisca Lechner: “Tudo por Deus, pelos pobres – especialmente a mulher – e por nossa Congregação” impulsionando à prática de uma de suas máximas. “Fazer o bem, alegrar, tornar feliz e conduzir ao céu”

sábado, 11 de março de 2017



ASSU COMEMORA OS 90 ANOS DO EDUCANDÁRIO N. SENHORA DAS VITÓRIAS

A Cidade de Assu/RN está em festa, desde a manhã desta última quinta-feira, dia 09/03, ocasião em que toda a população acordou mais cedo a fim de parabenizar uma das mais antigas e tradicionais instituições educacionais da região: O Educandário Nossa Senhora das Neves (ENSV), que comemora 90 anos de existência.

São 90 anos de dedicação à Educação e à formação do futuro das crianças e jovens da região do Assu, portanto, nada mais justo do que comemorar o aniversário dessa instituição, que além educar, forma seus alunos para a vida, com uma grande festa.
Como parte das comemorações, o ENSV realizou uma vasta programação iniciada com uma alvorada, que arregimentou todos os moradores da cidade. Em seguida, uma queima de fogos saudando Nossa Senhora das Vitórias – patrona da escola e uma oração sob as bênçãos do pároco local, Padre Dian Carlos. Depois, todos os que fazem o ENSV, pais e alunos participaram de uma carreata comemorativa, que tomou conta das ruas e avenidas da cidade.

Para finalizar a programação, foi servido um maravilhoso café da manhã na quadra de esportes da escola, contando com a presença de toda a família ENSV. O registro fotográfico das comemorações ficou por conta de Dedé Ramalho.



Solenidade homenagea 90 anos do Educandário Nossa Senhora das Vitórias


A Assembleia Legislativa de Assu homenageou na última sexta-feira (10), os 90 anos do Educandário Nossa Senhora das Vitórias (ENSV), administrado pela Província Nossa Senhora das Neves, da Congregação das Filhas do Amor Divino. Proposta pelo deputado George Soares, a sessão solene reconheceu os relevantes serviços prestados pela instituição, à população açuense.


“O Educandário Nossa Senhora das Vitórias serve como exemplo de cidadania, engajamento, solidariedade e de trabalho comunitário. Graças a alguns bravos e futuristas cidadãos, entre eles o Monsenhor Joaquim Honório e Doutor Pedro Amorim, pode-se concretizar uma ideia surgida no ano de 1922, a construção de um estabelecimento de instrução e educação para meninas”, destacou George Soares.


De acordo com o parlamentar, a ideia da fundação do colégio estava ligada à sua direção. A busca foi intensa, até que em 11 de julho de 1926 a Congregação Filhas do Amor Divino aceitou a missão. “Daí, até os dias atuais, são 90 anos de serviços prestados ao povo do Assu e do Vale, construindo uma história de muitas vitórias”. (http://www.al.rn.gov.br/portal/noticias)

ENSV COMEMORA 90 ANOS


O povo de Assu/RN está em festa porque o Educandário Nossa Senhora das Vitórias (ENSV) comemora 90 anos de fundação, oferecendo uma Educação de qualidade formando as crianças para a vida. Localizada no centro da cidade de Assú, a escola é dirigida por religiosas, Irmãs da Congregação das Filhas do Amor Divino, da Província Nossa Senhora das Neves, tendo como fundadora – a Madre Francisca Lechner – cujo exemplo é o de educar para a vida evangelizando crianças e jovens.
As precursoras da missão educativa das Filhas do Amor Divino no Brasil foram as Irmãs Teresina Werner e Constantine Resch, que se estabeleceram no Rio Grande do Sul no ano de 1920 e em 1925 chegaram ao Rio Grande do Norte, para residirem em Caicó, iniciando, assim, o trabalho educativo no nosso Estado.
Tudo começou com a Madre Francisca Lechner. Ela nasceu no Império Austro-húngaro e viveu sua trajetória de educadora no século XIX. Conhecida por ser uma mulher dotada de ideais de justiça e solidariedade humana muito além do seu tempo, ela tornou realidade o sonho de ver as Filhas do Amor Divino difundindo o Evangelho de Jesus Cristo através da máxima: Tudo por Deus, pelos pobres e por nossa Congregação.
Iniciava-se, desse modo, a caminhada das Filhas do Amor Divino pelo mundo, vencendo as distâncias geopolíticas e as dificuldades da língua para chegar ao Brasil. Neste processo contamos com o ardente zelo missionário e ilimitado espírito de vanguarda de Ir. Teresina Werner, protagonista da expansão da Congregação para além das fronteiras do Império Austro-húngaro até a sua chegada ao Brasil.
As Filhas do Amor Divino chegaram em Assu, no dia 22 de fevereiro de 1927, procedentes de Viena (Áustria), e assumiram, em nome da Congregação, a direção do Colégio Nossa Senhora das Vitórias, que foi solenemente inaugurado no dia 09 de março de 1927 o ENSV, que comemora 90 anos de história.
O Educandário Nossa Senhora das Vitórias oferece educação básica em todos os níveis e conta com uma equipe de profissionais formada por religiosas e leigos, que atuam na docência e no suporte pedagógico, habilitados para as funções que exercem, numa ação conjunta, solidária e fraterna que contribui para “unir numa síntese harmoniosa o Evangelho e a cultura, a fé a vida.  (Posted by NLira)


Há 90 anos brotava no solo assuense, o sonho de bravos homens e destemidas mulheres, dispostos a levantarem a bandeira de uma educação de qualidade nesta terra. Logo o sonho se tornou realidade e o Educandário Nossa Senhora das Vitórias (ENSV) fez crescer os louros da história de respeito na genealogia do povo de Assu. Somos a marca de uma educação construída no solo sagrado do tempo, com resultados reais de uma educação comprometida em educar para a vida. Parabéns para o meu, o seu, o nosso EDUCANDÁRIO!

Artigo         SOB A LUZ DAS VITÓRIAS

Por Ir. Vilma Lúcia de Oliveira, FDC


Luz e Vitória - Mais que tema é um leme. Afinal, são noventa anos em travessia pelo mar do tempo, sob a   Luz e o Timão da Senhora das Vitórias.

Se a primeira tarefa da Educação é ensinar a ver, como dizia Nietzshe, então, não basta só enxergar. Na realidade, o olhar obedece às leis da física ótica, mas a visão segue a
inspiração da Luz. Com esta visão, o Nossa Senhora das Vitórias
[1] (ENSV) vive, conta, canta e agradece os feitos e efeitos das conquistas da Luz. Luz modeladora e promotora da visão humana de pessoa, de mundo, de vida e Vitória, que não segue a logica do sucesso.

Do mapeamento documental, da pesquisa histórica da instituição, destacam-se dois aspectos que são determinantes para os fundamentos historiográficos, das origens do ENSV. O primeiro se baseia nas principais ocorrências entre 1920-1927, por ocasião do surgimento da ideia de uma escola voltada para a formação da mulher à chegada das Irmãs, Filhas do Amor Divino, para dirigir os trabalhos da Entidade. O segundo diz respeito ao contexto, do momento, tendo como foco principal a Igreja, a mulher e a Educação. A abordagem é delimitada pelo tempo e espaço suscintamente entrelaçados como luz e leme.  Leme que direciona o velejar institucional, atravessando nove décadas, em mar aberto, singrando pelo tempo, sob a direção da Luz da Senhora das Vitórias. Luz que dá forma e plasma à sua história. Tendo como leme o Evangelho e o carisma de Madre Francisca Lechner: Compreender amando, amar amparando, amparar salvando. Evangelho e carisma articulados num sistema de direção permitindo aos navegantes da comunidade educativa, desfrutar os ventos na direção desejada, impedindo que a embarcação navegue à deriva, inclusive quando os ventos sopram na direção contrária.

Tudo começou em 1920 quando o Jornal “A Cidade”, semanário dirigido por Palmério Filho, lançou o desafio: a fundação de um estabelecimento de ensino para fazer jus ao desenvolvimento que se processava no Vale do Açu.

Sob a liderança do Monsenhor Joaquim Honório da Silveira e do Padre Júlio Alves Bezerra, apoiados pelo Bispo da Diocese de Natal[2], D. Antônio dos Santos Cabral[3], foi formada uma comissão constituída pelas principais lideranças da cidade, para construir uma escola cristã destinada à formação de mulheres, às futuras mães da região. Igreja e Comunidade de mãos dadas estabeleceram as regras básicas da sua construção e o fazer comunitário foi a luz que iluminou e o leme que direcionou os trabalhos iniciais. 

No dia 3 de julho de 1922 aconteceu a primeira reunião para organizar e mobilizar a comunidade para construir o Colégio, que foi denominado de Colégio Nossa Senhora das Vitórias. A construção começou no dia 7 de setembro de 1922, com o lançamento da pedra fundamental, como parte das festas em que se comemorava o primeiro centenário da emancipação política da cidade. No dia 5 de dezembro de 1925, o novo Bispo Diocesano, Dom José Pereira Alves[4], presidiu uma reunião para arrecadar ajudas destinadas à conclusão do prédio. A Comunidade empreendeu mais dois eventos para angariar mais benefícios: Um no dia 24 de dezembro de 1925 e o outro no ano seguinte, em 1926, no dia 13 de maio com sucesso.  

No dia 11 de julho de 1926, o Jornal “A Cidade” divulgou o seguinte telegrama: Senhor Bispo obteve Congregação Filhas do Amor Divino aceitou direção nosso Colégio. A alegre notícia percorreu pela comunidade e todos envidaram esforços para que a obra chegasse ao seu término. Boa parte da edificação culminou em 1927 o essencial para receber as Filhas do Amor Divino, que iriam assumir a direção dos trabalhos da Instituição.

No dia 17 de fevereiro de 1927, as Irmãs desembarcaram em Recife. No dia 19 de fevereiro prosseguiram viagem e no dia 22 de fevereiro as Irmãs Alberta Garimbert, Digna Taudes, Volkmara Stanoscheck chegaram à Açu e com elas uma esperada chuva. A recepção começou em Lages e de Lages vieram para Açu no Ford dirigido por Luiz Lucas Lins Caldas Neto.

No dia 8 de março veio o Bispo de Natal, Dom José Alves, acompanhado do Monsenhor Honório, do Presidente do Estado, Dr. José Augusto Bezerra[5] e de alguns outros senhores de Natal, para a festa de Inauguração programada para o dia 9 de março de 1927. De acordo com o programa publicado, às 7h e 30mn tiveram início as cerimônias religiosas com a Bênção do Prédio e a Santa Missa na Capela do Colégio. O Presidente foi o Sr. Bispo Diocesano, acolitado pelo Monsenhor Joaquim Honório e o Vigário da Paróquia, o Padre Júlio Bezerra. Seguiu-se uma Sessão Magna, presidida pelo então Presidente do Estado.
São significativas as afirmações feitas pelo Dr. Adalberto Amorim, orador oficial da Sessão Inaugural, especialmente quando adjetiva o Nossa Senhora das Vitórias como Oficina de Luz, Viveiro espiritual e citando Júlio Simon, o orador dizia que cada vez que se educa uma filha, funda-se uma escola. Assim, o Nossa Senhora das Vitórias foi inaugurado, por entre festas de acolhimento, de gratidão, de belos e proféticos sonhos.

Queriam uma escola cristã para a formação da mulher. Se de um lado numa sociedade em que o catolicismo predomina, justifica-se a busca por uma escola cristã, do outro percebia-se uma efervescente transformação social. No início do século XX, portanto, na década de 1920, devido ao panorama econômico-cultural e político delineado após a Primeira Grande Guerra, o Brasil começou a se repensar. Entre 1920 e 1930, a chamada “Pedagogia da Escola Nova” entra em cena, trazendo as novas teorias e práticas da Educação, influenciadas pelas ideias inovadoras de estudiosos do Brasil e de outros países. É desta época as fundações das Universidades Católicas no Brasil.  

Neste ínterim começava também uma nova construção identitária feminina. Em diversos setores sociais, as mudanças eram debatidas e reformas eram propostas. Com a implantação dos ideais da Escola Nova, o papel do Estado em matéria educacional foi redefinido e já estava em processo os movimentos em prol da mulher. Eram alguns dos sintomas da necessidade de uma nova construção cultural, diferente da que envolvia a escola e a função social da mulher.

Neste contexto, já circulam nos meios pensantes as ideias como a do historiador e filósofo francês Jules Michelet, principalmente as que estão no seu livro, A Mulher, publicado em 1859. Desde então são fomentadas as convicções da mulher como redentora, como anjo de paz e de civilização. A mulher tornase a pedra fundamental de toda a sociedade, pois, educando a criança, forma o homem. Se o homem é a força da criação, a mulher é a redenção da humanidade[6]. É emblemático o discurso de inauguração, no dia do lançamento da Pedra fundamental para a construção do Colégio. Porque desde 1859 já dizia Jules Michelet: Toda mulher é uma escola, e é delas que as gerações recebem realmente sua crença. Muito antes que o pai pense na educação a mãe deu a sua, que não mais se apagará[7]   

Hoje, a escola de outrora, rejuvenescida pelo refletor das suas origens, continua sua navegação.  Se na poesia de Fernando Pessoa o encontro das linhas do Mar e do horizonte, espelha o céu, nos horizontes da história desta oficina de luz – viveiro espiritual, a Luz e o Leme se confundem. Assim, parafraseando o mesmo poeta, podemos dizer que hoje, o Educandário continua atualizando as primícias da sua história sentindo-se nascido para a eternidade do mundo sob a Luz e o Timão da Senhora das Vitórias.


[1] Cfr. Amorim, Francisco, Colégio Nossa Senhora das Vitórias, 50 anos, (Coleção Assuense) série A n° 001, 1977, p 7.  Este trabalho tem como base esta obra, o Livro de Tombo da Paróquia São João Batista, o Livro das Crônicas da Casa Matriz das Filhas do Amor Divino e o da Comunidade de Açu.  E também OLIVEIRA, Vilma Lúcia, in História da Paróquia de Assú, org. por DE LIMA, Auricéia Antunes, Coleção Assuense, Vol. 0008, Assú, dezembro de 2002, pp 302-315.
[2] Nesta época a Paróquia de São João Batista pertencia à Diocese de Natal. A Diocese de Mossoró foi criada em 28.VI.1934, logo, 7 (sete) anos após a Fundação do Educandário Nossa Senhora das Vitórias.
[3]  É o segundo bispo da Diocese de Natal, natural de Propriá, Sergipe. Governou a Diocese de Nossa Senhora da Apresentação de: 30. V. 1918 – 21. XI. 1921; daqui foi transferido para a Diocese de Belo Horizonte. 
[4] Sucessor de D. Antônio dos Santos Cabral, D. José Pereira Alves, nasceu em Palmares, Pernambuco, governou a Diocese de Natal de 17. VI. 1923 – 27. I. 1928, daqui foi transferido para a Diocese de Niterói.
[5] Governou o Rio Grande do Norte de 1. I. 1924 – 1. I. 1928.
[6] MICHELET, Jules, A mulher, São Paulo. Martins Fontes, 1895, p. 275
[7] Loc Cit, p. 118.